terça-feira, 8 de maio de 2018

Protesto na Eurovisão: "Zero Pontos para Israel", pede campanha contra o apartheid

PARTILHAR

Netta Barzilai, representante de Israel, é a grande favorita para vencer a edição deste ano do Festival Eurovisão da Canção. Mas a campanha global Boicote, Desinvestimento e Sanções pede que sejam atribuídos zero pontos ao tema.

"Toy", de Netta Barzilai, representante de Israel, é, segundo as casas de apostas online, a canção favorita para vencer a edição de 2018 do Festival Eurovisão da Canção, que se realiza pela primeira vez em Lisboa. Mas há quem lute pelo contrário.

À porta do Eurovision Village, espaço criado no Terreiro do Paço, um pequeno grupo de pessoas tem distribuído panfletos que pedem ao público que não vote no tema israelita. "Acabar com a ocupação e o apartheid israelita na Palestina. Dá zero ponto à música de Israel na televotação", pode ler-se na frente da folha.

"A Eurovisão vai começar em Lisboa. "'Zero Pontos para Israel na competição musical da Eurovisão' é uma campanha anual que se opõe à ocupação e ao apartheid. Esta campanha não poderá ter fim até que o Estado de Israel deixe de violar o Direito Internacional impunemente", explicam os promotores do protesto.

A canção de Israel, tal como explicou Netta Barzila ao SAPO Mag, tem "uma mensagem importante - o despertar do poder feminino e da justiça social". Para o movimento Boycott, Divestment, Sanctions (BDS), a israelita "participa igualmente nos esforços de Israel limpar a sua imagem internacionalmente". "[A Canção] enquadra-se numa contínua tentativa israelita de branquear a opressão do povo palestiniano através de uma campanha de marketing de políticas de 'igualdade'. Ignora, também, a falta de condições das mulheres de Gaza que se encontram em prisões a céu aberto", acrescenta a BDS.

A campanha insere-se na iniciativa global de Boicote, Desinvestimento e Sanções.

Tiago David | Sapo Mag
PARTILHAR

Author: verified_user

0 comentários: