segunda-feira, 12 de março de 2018

Portugal | SACRISTAS EM CONGRESSO

PARTILHAR

Bom dia e boa semana que todos temos pela frente. Esta é a cafeína matinal que de vez em quando trazemos por aqui. Hoje é assim: o CDS teve congresso. Ena, tanta falácia, tanta demagogia, tanto populismo. Tanto sacrista! Obra de Cristas ao vento a sonhar com o cargo de primeira-ministra. Que sacrista.

Por isso a dona Angélica foi parar ao hospital com um ataque de histerismo que por nada lhe passava, até pareceu ao médico que a assistiu, no São José, que a senhora tinha tomado várias caixas de pílulas 'Goronsan' (que é para ficar muito bem disposto). A Cristas foi anunciada, no congresso, como futura PM e vai daí a Angélia caiu a rebolar-se e a rir às gargalhadas. Só parou depois de várias drogas para “desligar” e adormecer. Calmantes e soporíferos em barda foi a cura. Está a dormir desde ontem pelo meio da tarde. Mesmo assim decerto que sonha com a tal futura PM, porque sorri a todo o minuto que passa e faz uns gargarejos - que devem ser gargalhadas lá no sonho. Raio de sonho, com aquela sacrista!

Bem, a Cristas em PM é que não seria um sonho para os portugueses, mas sim um pesadelo. A direita perfila-se ridiculamente e atira para a mesa jogo viciado que os ‘croupiers’ e restantes jogadores não vão aceitar. Com razão. E lá se rodeou a Cristas de sacristas. Rodeou-se dos mais radicais saudosistas das políticas de salazaristas adaptadas à modernidade. “Tadinha da Assunção Cristas das Feiras”, alvitrou a Engrácia Viúva. “Uma rapariguinha que sonha tanto que quando acordar e cair na realidade vai partir-se toda. Vai ser cá uma queda”, lamentou pesarosa. “Oxalá que quando cair o chão esteja pejado de ouriços”, rezingou o Adelino da Tasca. Que maldoso.

Saiba que esta é a entrada do PG que habitualmente antecede o Expresso Curto, do Expresso Bilderberg Balseminas. Isso porque o Balsemão mina tudo. Velhote, manchado, mas é sempre a aviar. Ah, e este Curto tem a lavra de Rui Gustavo, jornalista que por lá é editor, provavelmente até doutor… ou dótor. Não sabemos exatamente.

Não deixa de ser curioso que o Curto que vai ler a seguir (contamos com isso) arranca com desporto. Primeiro o boxe e a seguir futebol em campo e na justiça. Só depois de muita ladainha desportiva é que o servidor da cafeína de hoje se refere ao congresso do CDS. E fala de entronização, ali, no congresso. Ora, o que está à vista há tempos é essa mesma entronização na comunicação social manipuladora, sacrista. Aquela dos três efes de antigamente: fado, futebol e Fátima. Agora até há mais efes para alienar exaustivamente os já alienados: o Facebook, por exemplo. E mais. Adiante.

Hoje há uma artigo no Público que será bom que leiam. É este: Os pobres continuam pobres, mesmo depois de arranjarem emprego. Avança o jornal com “Investigadores acompanham desde 2011 um grupo de pessoas em situação de pobreza, em Lisboa. "O combate à pobreza necessita forçosamente de uma mudança de paradigma", defendem.” É de ler e meditar. Trabalham e recebem uma miséria. Pois. Empresários sacristas e esclavagistas é o que não falta. Vida de pobre, uma trampa de vida. Com a Cristas ainda será mais trampa. Com Rio idem, até porque está na linha da Cristas. A direita, com mais ou menos pó. Mas direita. 

Já com o PS no poder é o que é e tem sido o que tem sido. Questionemo-nos: quem é que nos anda a roubar? A roubar e à descarada, legalmente. Porque será? O que têm que ver aqueles que elegemos com esta situação de enorme pobreza, de miséria? Quanto mais à direita… pior. È bom de ver, sempre assim foi e assim continuará a ser.

Mas há os ditos de esquerda que disso nada têm. O PS é o que é, um partido político do ‘sim’ e do ‘nim’. A não ser que mude, que Costa dê um murro na mesa e passe mesmo a ser de esquerda (não basta dizer, tem de agir e ser), acabando com as desigualdades, com a pobreza permanente de mais de metade da população, enquanto uns quantos, de número reduzido, detêm as fortunas conseguidas por via de tanto explorarem os que para eles trabalham ou através da especulação, ou roubando ‘legalmente’, impunes. Uma corja insaciável de lucros através de processos desumanos, imorais… Ops, chega. Basta de conversa. Até porque já entenderam onde é que isto iria parar. Nem é preciso pôr mais na escrita. Pois.

Vão para o Expresso Curto. Sigam a prosa. ‘Inté’. (MM | PG)

Bom dia, este é o seu Expresso Curto

As cordas queimam

Rui Gustavo | Expresso

Bom dia.

No boxe não há como não sofrer. Para se poder esquivar de todos os ataques do adversário, um pugilista tem de usar as cordas do ringue, que provocam feridas e queimaduras nas costas, as rope burns, como dizem os aficionados. Quando contra-ataca, um boxeur expõe-se sempre. E muitas vezes o vencedor é aquele que melhor sabe receber um murro sem se desnortear.

O Benfica, que depois de uma semana horrível recebeu boas notícias de onde menos se esperava (o imbatível FC Porto, que ainda tem de jogar na Luz, foi derrotado em Paços de Ferreira e já só está a dois pontos de distância) anunciou para hoje um contra-ataque em força. O presidente Luís Filipe Vieira – que só foi atingido pela justiça no caso Lex, em que é suspeito de ter pedido favores judiciais ao desembargador benfiquista Rui Rangel - disse no final da vitória contra o Desportivo das Aves que o clube vai montar um gabinete de crise “para responder a todos”.

"Todos" são os “jornalistas e administradores” que têm publicado as suspeitas que envolvem o clube em jogos fora das quatro linhas. E, talvez ainda mais, "todos" são os elementos da Polícia Judiciária e do Ministério Público que têm cercado o Benfica com investigações judiciais: vouchers e e-mails, em que é investigada uma alegada rede de influências para manipular nomeações de árbitros para jogos com o Benfica; a Operação Lex e, agora, a operação e-toupeira, em que é investigada a relação entre Paulo Gonçalves, um agente de jogadores (representa Heriberto Tavares, do Benfica B) e três funcionários judiciais que, de acordo com os indícios recolhidos pelos investigadores, passaram a Paulo Gonçalves informação em segredo de justiça de vários processos. As investigações começaram depois de denúncias do Sporting e do FC Porto (só o caso da toupeira foi espoletado por um telefonema anónimo) o que terá levado Vieira a indignar-se com a “clubite” da Justiça.

O caso é tão grave que levou à prisão preventiva de José Augusto Silva, funcionário judicial especialista em informática que usou a password adormecida de uma procuradora para aceder aos processos que envolviam o Benfica e os seus rivais. Fez consultas diárias, imprimiu documentos e terá informado Paulo Gonçalves de todos os passos do processo dos emails desde o primeiro dia. Tudo por umas camisolas, convites para os jogos e amor ao clube.

O Benfica nega tudo. Nega ter tido acesso a qualquer informação em segredo de justiça ou ter sabido de que iria ser alvo de buscas, como o Expresso noticiou esta semana. De acordo com esta versão, fica-se sem se perceber porque é que José Augusto Silva recolhia informação sigilosa que o levou à prisão. Luís Filipe Vieira pediu celeridade à justiça. E tem razão. Tudo isto tem de esclarecido depressa.

Para já, o único nome do universo benfiquista atingido com dois diretos é Paulo Gonçalves, assessor jurídico da direção, braço direito de Luís Filipe Vieira, e arguido no caso dos emails e da toupeira. Muito provavelmente será um dos escolhidos para o gabinete de crise de onde sairão os contra ataques benfiquistas: queixas-crime, exposições às autoridades sobre os crimes de violação de justiça de que se diz vítima e a convocação da nação benfiquista para “a luta”, como ficou patente na emocional (para dizer o menos) intervenção do presidente do Benfica. Apesar das ameaças veladas a jornalistas e administradores, não chegou aos exageros de Bruno Carvalho (apelou aos sportinguistas para deixarem de ler jornais e seguirem a atualidade pela Sporting TV), mas o tom crispado das críticas à investigação “incompetente” que “manchou a honra” benfiquista e está infetada pela “clubite” não é sinal de uma atitude colaborante com a justiça. Veremos o que sai do gabinete de crise.

As cordas deixam marcas.

OUTRAS NOTÍCIAS

A tempestade Felix passou, os alertas vermelhos são agora laranja e está prevista chuva, o que é bom por causa da seca. Há sol e o vento amainou.

A reboque da bonança, as autoridades marítimas vão tentar hoje desencalhar o navio espanhol Betanzos, que avariou no Tejo com 130 toneladas de combustível nos tanques que podem provocar um derrame de consequências desastrosas. Já houve quatro tentativas falhadas para rebocar o navio e a tripulação já foi resgatada na última quinta-feira. Hoje vai ser usado um rebocador maior e as operações começam de manhã.

O FC Porto perdeu pela primeira vez no campeonatorelançando a luta pelo título. Os portistas falharam um penalti e lidaram mal com a estratégia do Paços de Ferreira que recorreu a algum anti jogo. De acordo com o próprio treinador pacense, João Henriques, só houve 40 minutos de tempo de jogo útil. Sérgio Conceição confessou que se estivesse a ver o jogo em casa pediria o dinheiro de volta à Sport TV. A disparidade de armas entre os grandes e pequenos é a principal causa desta mentalidade enraizada na cultura desportiva em Portugal.

O Sporting joga hoje em Chaves e pode reentrar na corrida. Só tem de ganhar.

Uma boa notícia: João Sousa conseguiu no torneio de Indian Wells uma das melhores vitórias da carreira e do ténis português derrotando o alemão Alexander Zverev, número 5 do mundo e uma das grandes promessas da modalidade. A carreira de Sousa (o único português a conquistar dois torneios ATP) estava mergulhada numa depressão com várias derrotas consecutivas mas nenhuma tempestade dura para sempre.

O congresso do CDS e a entronização de Assunção Cristas como líder incontestada do partido marcou o fim de semana político. Cristas, que já tinha reclamado no Expresso ser “melhor do que Rui Rio”, disse no pavilhão de Lamego que os centristas são a única alternativa ao Partido Socialista e apontou a uma vitória nas eleições legislativas. O Expresso acompanhou durante todo o fim de semana o congresso e explica-lhe aqui o que Cristas quis dizer e aqui os seis melhores momentos do fim de semana em Lamego.No Observador, nota para uma das poucas vozes dissonantes.

Na China, a Assembleia Nacional Popular, aprovou uma emenda à Constituição que acaba com os limites aos mandatos presidenciais e vai prolongar no poder o atual presidente Xi Jinping, que acabava o segundo mandato em 2023. Só dois dos mais de três mil deputados votaram contra. O princípio dos dois mandatos estava em vigor há 30 anos e distinguia a China das restantes ditaduras “populares”. O parlamento chinês aprovou um total de 21 alterações constitucionais que vão fortalecer o papel do Estado na Economia e na vida dos chineses.

Cinco pessoas morreram quando um helicóptero turístico caiu no rio Hudson, em Nova Iorque. Há um sobrevivente, que se atirou à água antes do aparelho se despenhar.

Marcelo Rebelo de Sousa inicia hoje uma visita de três dias à Grécia, a braços com uma crise migratória sem precedentes. O presidente, que ontem espalhou beijinhos e selfies e fez uns sprints vigorosos em Oliveira do Hospital, vai encontrar-se com portugueses que trabalham nos campos de refugiados.

Na Síria a luta pela cidade de Ghouta continua e o desastre humanitário também. Como é difícil imaginar o que é viver debaixo de fogo cruzado, resta seguir Amin Hasem, que gravou estes vídeos antes de deixar de dar sinais de vida.

Manchetes

Assunção Cristas e uma espetacular blusa cor-de-rosa estão nas primeiras páginas de quase todos os jornais. O DN diz que “sonha com São Bento e PSD fala em mania das grandezas”. O Público nota que o “CDS vota na demografia, nova economia e território”. No JN, destaca-se a vontade de o CDS ser “a opção dos que rejeitam o socialismo” e o Iressalva que Cristas quer um partido “de todas as direitas para todos os portugueses”. Sound-bytes para todos os gostos.

O Correio da Manhã, o único a ignorar Cristas, lembra que “Diplomatas ganham mais do que Marcelo”.

O Negócios noticia: “Estado obrigado a devolver IVA de prédios desocupados”. A decisão é do tribunal de justiça europeu.

O JN revela que há “Escolas cheias de sucata informática e net lenta”. O número de computadores nas escolas caiu para metade em seis anos e não há um investimento sério há dez anos. Estamos a falar de informática.

O Público diz que “Testes de VIH e de hepatite B e C passam a ser feitos nas farmácias”. Eventuais resultados positivos terão de ser confirmados.

No DN há um balanço de lares fechados pela segurança social em 2017: 133.

Frases

“Parece-me um exagero que corre o risco de ser ridículo”
Marques Mendes, sobre a ambição de Assunção Cristas em ganhar as eleições

“Eu serei melhor candidato do que Assunção Cristas e António Costa”
Rui Rio, sobre a comparação que Cristas tinha feito ao Expresso

“Se estivesse a ver o jogo em casa pedia a devolução do dinheiro à Sport TV”
Sérgio Conceição, treinador do FC Porto depois da derrota com o Paços de Ferreira.

“Habituem-se”
João Henriques, treinador do Paços de Ferreira, o primeiro a vencer o FC Porto.

"O prazo pressupõe alguma elasticidade"
Presidente Marcelo, sobre o prazo para limpar as matas que termina próxima quinta-feira.

O que eu ando a ler

“Rope Burns”
FX Toole

Livro de contos sobre boxe e os seus segundos planos, os homens que ficam no canto dos pugilistas: treinadores e cutmen, que curam as feridas durante os combates. FX Toole, que na verdade se chamava Jerry Boyde, começou a jogar boxe aos 46 anos e tornou-se um treinador que atingiu um nível bastante razoável. Um dos contos deste livro, que dá o nome à edição portuguesa, chama-se “Million Dollar Baby”, e deu origem ao excelente filme de Clint Eastwood que ganhou os principais oscars de 2004. FX Toole morreu em 2002, sem ver a sua obra no grande ecrã. Além da história da pugilista Maggie, o livro está pejado de personagens e situações que seriam aproveitadas no filme. E aprendemos como se curam as queimaduras das cordas.

O que ando a ver

“Foge”
Jordan Peele

Surpreendente Óscar para melhor argumento original, vencendo o meu favorito “Três cartazes à beira da Estrada”, é na aparência um filme de terror acima da média, mas na verdade é um excelente protesto contra o racismo. Não me lembro de outro filme que foque este tema e não seja sobre escravatura ou a luta pelos direitos civis dos negros. O ator principal é uma revelação e o próprio Peele (realizador e argumentista) só tinha escrito comédias e filmes de animação até chegar a Foge. Não digo mais nada porque detesto spoilers.
É tudo.

*Foto de Rui Duarte Silva, em VISÃO
PARTILHAR

Author: verified_user

0 comentários: