sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Portugal. “TOO PSD TO JAIL”




Onde pára a reclamação do Estado dos 155 milhões de euros do penhor financeiro do capital da Galilei, dos 1,8 milhões da Sociedade Médica, dos mais de 22 milhões da Galilei Saúde e dos 1,17 milhões da Datacom-sistemas?

Na  chamada crise de 2007/2008, que se arrasta, ficaram conhecidas as expressões Too big to fail (grandes de mais para falir).

Este foi o expediente argumentativo para os neo-liberais, que defendiam e defendem que o Estado não deve intervir nas empresas e que deve ser o mercado a sanear as situações, premiando as que têm mérito e punindo as que não têm, injectando milhões dos Orçamentos do Estado, dos contribuintes como eles gostavam de dizer, nessas grandes empresas dos seus amigos e correlegionários...

Deixaram cair a teoria e passaram a argumentar que há empresas e bancos que pela sua dimensão e interligações não podem falir pois põem em perigo as respectivas economias.

A pratica mostrou assim a hipocrisia da política neo-liberal que afinal só se aplica às pequenas e médias empresas tornando claro a quem serve tal teoria apresentada nas universidades com roupagens científicas e de neutralidade. Uma teoria para dar cobertura à concentração e centralização de capitais, à acumulação do capital, entre nós defendida , entre outros, por Passos/Cristas/Portas...

Com o andamento da crise foi-se vendo que dos grandes responsáveis pelas muitas trafulhices que meteram milhões aos bolsos e nos bolsos dos amigos e compadres – os tais das «liberalidades» – só foram presos meia dúzia, os mais indefensáveis, para calar a opinião pública. Por isso, na imprensa mais crítica surgiu uma nova expressão: Too big to jail. Grandes de mais para serem presos!

Em Portugal tem-se passado o mesmo.

Veja-se a vergonha do BPN e os milhões que custa e vai custar ao Estado. Já se avança com a verba de nove mil milhões. Para se ter uma ideia, esta verba dava para se aumentar o Orçamento da Educação em 20% durante cerca de cinco anos!

O Estado tem a receber muitos milhões de milhares de euros do grupo que colapsou em 2008, onde pontificavam os barões e figuras gradas do PSD e do cavaquismo: o BPN, que foi nacionalizado com o voto contra do PCP, e as empresas do grupo que ficaram na SLN CGPS, hoje Galilei.

Para onde foi o dinheiro? O património pessoal dos principais responsáveis foi tocado? Que garantias havia? O que fez e faz a Parvalorem gerida por Fernando Nogueira Leite do PSD e amigo de Passos desde a JSD? Vai continuar a aceitar expedientes colocados pelo núcleo duro dos accionistas do ex-BPN para não serem executados, como o do processo especial de revitalização (PER)?

Em que ponto está a reclamação, por parte do Estado, dos 155 milhões do penhor financeiro do capital da Galilei, os 1,8 milhões da Sociedade Médica, os mais de 22 milhões da Galilei Saúde, os 1,17 da Datacom-sistemas informáticos?

E, finalmente, a grande questão: por que só há um preso e em prisão domiciliária?

Neste caso nem se pode dizer que são financeiramente grandes de mais para irem para a cadeia. Neste caso, a questão é outra: too PSD to jail – importantes de mais no PSD para serem presos e, ainda por cima, toocavaquistas...

*AbrilAbril - Foto de Manuel de Almeida/ Agência LUSA

Leia mais em AbrilAbril

Sem comentários: