Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

domingo, 25 de junho de 2017

MATARAM | Polícia angolana reprime manifestação do Movimento do Protectorado Lunda Tchokwe



Pelo menos uma pessoa morreu, cerca de 10 estão feridas e mais de 50 foram presas este sábado em duas províncias durante as manifestações que exigiam a autonomia da região conhecida como Lunda Tchokwe.

Sábado violento em Angola. A Polícia Nacional, em colaboração com as Forças Armadas Angolanas (FAA), reagiu com balas de fogo a uma série de manifestações convocadas pelo Movimento do Protectorado Lunda Tchokwe, na manhã deste sábado (24.06), nas províncias do Moxico, Lunda Norte e Lunda Sul.

Pelo menos uma pessoa foi morta, outra foi baleada na cabeça e encontra-se neste momento sob cuidados médicos numa unidade hospitalar, enquanto outros oito manifestantes estão gravemente feridos. Mais de 50 pessoas foram detidas durante a ação das autoridades de segurança.

A reportagem da DW África em Angola constatou que na província do Moxico não se registou nenhum incidente. Contudo, a cidade de Luena, capital da província, foi sitiada pelas forças de segurança.

As manifestações visavam exigir o fim das perseguições permanentes e prisões arbitrárias contra os ativistas do movimento, assim como a abertura de um diálogo com o Governo angolano para o restabelecimento da autonomia da região de Lunda Tchokwe, que compreende as províncias ricas em diamante e madeira, nomeadamente as Lundas Norte e Sul, Moxico e Cuando Cubango.

Violência policial

À DW África, José Mateus Zecamutchima, presidente do movimento que reivindica a autonomia da região diamantífera angolana, descreveu a situação no terreno.

"A Polícia abriu mesmo fogo contra os manifestantes. Aqui no Saurimo, província da Lunda Sul, estão presas quatro pessoas. Em Canfunfu – Lunda Norte, temos oito feridos. Também na Lunda Norte, no município do Cuango, temos mais de 50 pessoas presas e aqui a polícia disparou mortalmente contra o senhor Pimbi, de 35 anos, que é pai de quatro filhos".

Ainda de acordo com o relato de Zecamutchima, há outros dois feridos em estado grave no hospital, um deles o senhor que foi baleado na cabeça.

A situação neste momento é de grande agitação e tumulto. A população está bastante revoltosa e as autoridades policiais não dão sinais de abrandamento na reação brutal com que investiu contra os manifestantes.

As três províncias onde decorreram as manifestações estão praticamente sitiadas com elementos das forças de segurança, Polícia de Intervenção Rápida e vários soldados da Polícia Militar, assim como vários agentes dos serviços de inteligência à paisana.

Liberdade

Apesar desta situação tumultuosa, o líder do Movimento do Protectorado revela-se firme em continuar com as manifestações na região, por considerar estar em causa a defesa dos direitos e das liberdades dos povos daquela região.

"Seguramente que vamos continuar a ter esse comportamento da polícia. Agora eu não posso desmoralizar o povo. O regime é que deve parar de disparar contra aqueles que estão a se manifestar livremente e que estão somente a exigir os seus direitos. Eu não posso mandar as pessoas parar. O povo está a manifestar-se sem armas e ninguém está a atirar pedras à polícia. Ninguém fez vandalismo", declarou Zecamutchima.

Por outro lado, Zeca Mucamutchima, diz-se apreensivo com a sua falta de segurança.
"Estou aqui nas Lundas sem segurança, aliás, tenho estado a explicar isso a todo o momento daquilo que temos estado a viver. Como explico a comunidade nacional e internacional, essa manifestação não foi espontânea. Nós escrevemos ao Presidente da República, no dia 12 de junho, anunciado a realização desta manifestação, distribuímos documentos a todos os governos e comandos provinciais da região. Portanto, não compreendemos por que é que hoje no dia da manifestação indicada a polícia vem disparar indiscriminadamente contra a população", questiona-se.

A DW entrou em contato com o Comandante-Geral da Polícia Nacional de Angola, Ambrósio de Lemos, mas obteve resposta.

Nelson Sul d'Angola (Luanda) | Deutsche Welle

Sem comentários: