sábado, 4 de fevereiro de 2017

CAPITALISMO SEM SOLUÇÕES DE FUNDO PARA BENEFÍCIO DA HUMANIDADE



O PRESIDENTE DONALD TRUMP ATASCA A OPÇÃO PROTECCIONISTA NA EXAUSTÃO PROGRAMADA DO CAPITALISMO NEOLIBERAL


A ascensão de Donald Trump nas últimas eleições para Presidente, à frente do partido republicano nos Estados Unidos, representa o jogo sócio-político duma fracção do poder da aristocracia financeira mundial, numa tentativa desesperada de não perder o domínio no quadro duma hegemonia unipolar cada vez mais vacilante, reconhecendo que, para o efeito, muita coisa há a arrumar internamente nos próprios Estados Unidos, a fim de continuar a perseguir esse objectivo.

A nível interno a oposição (que é preciso relembrar, foi ganhadora no voto popular), passou deliberamente e de forma teleguiada para as ruas, como se os Estados Unidos estivessem em plena“Revolução Colorida”, o que concorre para toda a confusão que alimenta as tendências mais à esquerda, num presumível campo popular que está efectivamente muito longe de o ser!

De facto, a recém-instalada administração de Donald Trump, apesar do optimismo de alguns analistas como Thierry Meyssan, muito atento em relação ao curto exercício de duas semanas até agora realizado, põe a descoberto o esgotamento do poder da aristocracia financeira mundial em sua própria tentativa de acomodação nos Estados Unidos e os equívocos sucedem-se num estonteante encadeado que demonstra por si a decadência da opção pela hegemonia unipolar estado-unidense.

A Donald Trump parece não conseguir chegar o tirar partido directo e sem interpostas entidades, de maneira distinta aos seus antecessores republicanos, do poderoso “lobby” da energia e do armamento que tradicionalmente estimula a corrente a que ele está “tradicionalmente” ligado.

Também o recurso ao fundamentalismo da civilização judaico-cristã é insuficiente se não mesmo enfraquecedor, face aos fenómenos sócio-políticos inerentes à complexa sociedade multicultural dos Estados Unidos e de toda a América.

Desde a administração republicana de Ronad Reagan que os sucessivos Presidentes se deixaram aliciar e enredar pelas correntes capitalistas neoliberais que aproveitaram a especulação por via da“financeirização” até aos limites para colocar tecnologias e indústrias onde desse mais lucro, produzissem ingerências e manipulações onde quer que fosse, estimulassem os processos neocoloniais por todo o mundo e agora as corporações poderosas, em relação às quais Donald Trump está ligado (como por exemplo a Exxon, ou a Chevron), têm por si imensas dificuldades em adoptar, a coberto de medidas protecionistas, soluções que tendem a impedir o colapso corrente a todos os níveis, dentro e fora dos Estados Unidos, colapso esse provocado pela exaustão neoliberal que promoveu caos, terrorismo e neoliberalismo, onde quer que se assinalasse a sua marca mais imperiosa e sangrenta.

Apesar das evidências do 11 de Setembro de 2001, apesar de Donald Trump querer pôr fim aos estigmas daí derivados, apesar do enunciado propósito de luta contra o Daesh e a Al Qaeda, mantendo-se no ambiente sócio-político dos Estados Unidos uma posição de vantagem das correntes capitalistas neoliberais que se vêm fortalecendo desde a administração de Ronald Reagan, há sinais evidentes que o recém-instalado Presidente está atascado no atoleiro redundante das heranças recebidas:

Em relação aos poderosos media, a sua acção é insuficiente para desmascarar a deliberada e continuada mentira, ambiguidade, hipocrisia e cinismo de que fazem uso, em especial quando são abordados os imensos temas dos relacionamentos internacionais;

Em relação aos BRICS, é pálida a tendência de procurar um melhor relacionamento com a Rússia, quando ao mesmo tempo se vai radicalizando o relacionamento com a República Popular da China e com a Coreia do Norte, isto é, procurando criar divisões conforme outrora proveitosas experiências da segunda metade do seculo passado;


Em relação à migração, a decisão de impor o fecho de fonteiras aos fluxos humanos provenientes de 7 países tem sacudido e mobilizado desfavoravelmente a opinião pública interna e internacional, engrossando as manifestações públicas e as cores de cada uma das “revoluções coloridas” que animam a vida pública nas praças e aeroportos dos Estados Unidos;

Em relação ao muro que quer impor ao México, a reprovação é similar, com ênfase particular a partir dos estados, organizações internacionais, nações e povos da América Latina;

Em relação à Ucrânia, logo aos primeiros e “oportunos” disparos no leste desse país, Trump pronunciou-se por mais do mesmo, não alterando nada da linha perseguida por seu antecessor, condenando a Rússia por causa de sua legítima posição sobre a região e a Crimeia e caucionando as obsoletas sanções;

Em relação a África distende-se “inevitavelmente” e “por procuração” o agenciado campo de manobra neocolonial sob os auspícios da FrançAfrique, tirando sobretudo partido do colapso da Líbia, algo que começa a minar a própria Presidência da União Africana;

Em relação ao terrorismo, o equívoco passa pelo facto de Arábia Saudita, Catar e outras monarquias arábicas não serem os países-alvo das medidas de bloqueio de fronteiras à migração e de abertura de fluxos de refugiados (os países-alvo escolhidos foram Irão, Síria, Iraque, Iémen, Líbia, Somália e Sudão)…

Nesta última decisão, a administração de Donal Trump dá um sinal claro de estímulo em benefício de iniciativas que só favorecem os falcões de Israel e alguns interesses, (tão geoestrategicamente limitados quanto antes), das corporações estado-unidenses e europeias de energia e armamento no continente euro-asiático, incapazes de integrar a rota da seda, bem como os projectos dos oleodutos e gasodutos de inspiração multipolar.

Na prática, do inventário de medidas, apenas são sinais relativamente favoráveis à nova administração as que determinam o fim dos Tratados multi-laterais de acordo com as correntes capitalistas neoliberais no Trans Pacífico, em relação ao espaço da América do Norte (envolvendo o Canadá e o México) e em relação à Europa (pondo em evidência os nexos de toda a ordem entre os Estados Unidos e a Grã Bretanha, em função do “Brexit”… cultura anglo-saxónica “oblige”)!...

Não existem sinais ambiciosos no caminho da paz, das possibilidades de levar por diante um projecto global de emergências multipolares, de encontrar soluções mais equilibradas entre os estados, as nações e os povos, de incentivar o renascimento africano, de melhor respeitar o planeta (o acordo de Paris já Trump atirou para as urtigas…)… a tudo isso o império diz nada!

…Há portanto todas as razões para colocar os ponteiros do holocausto nuclear a dois minutos da meia-noite!

Imagens:
Confluentes ironias no relacionamento com os problemas de Médio Oriente e Norte de África;
Nada de novo em relação à Ucrânia;
Tudo de novo em reforço dos falcões de Israel.

Sem comentários: