sexta-feira, 3 de agosto de 2018

São Tomé | Primeiro-ministro mentiu

PARTILHAR

É a conclusão a que chega Juvenal Rodrigues, jornalista são-tomense e Presidente da Associação dos Jornalistas de São Tomé e Príncipe. “Primeiro-ministro Patrice Trovoada mentiu”.

Para o Presidente da Associação dos Jornalistas de São Tomé e Príncipe, o tempo encarregou-se de confirmar a mentira dita pelo primeiro-ministro Patrice Trovoada no mês de Setembro do ano 2016.

«Há alguns jornalistas que vejo aí, e que gostam de falar de liberdade de imprensa e são jornalistas cuja opinião muitas vezes choca com o governo.. … Nós estamos a fazer um trabalho de recolha de armas. Como é que um jornalista recebe na presidência da República para seu uso pessoal uma arma de guerra. É jornalista? É independente? O quê que ele é? É mercenário? é jornalista? é o quê?», afirmou Patrice Trovoada em declaração a Rádio e Televisão do Governo, no mês de Setembro de 2016.

Logo a seguir a transmissão da entrevista do  primeiro-ministro, a Associação dos Jornalistas foi a Procuradoria Geral da República, e solicitou ao Procurador Geral para investigar e esclarecer a grave acusação. «Até hoje, aquela instituição não se pronunciou sobre o pedido, apesar da insistência feita. Assim sendo, só há uma conclusão:o chefe do governo mentiu, difamou, o que também é crime! Patrice Trovoada não tinha necessidade de fazê-lo, porque tem todos os meios para apurar a veracidade de uma informação dessa natureza, antes de fazer qualquer declaração pública. E nem veio publicamente desculpar-se pelo erro intencional», pontuou Juvenal Rodrigues, Presidente da AJS.

Na denúncia feita em Setembro de 2016, o Primeiro Ministro, acrescentou que «não vou citar o nome. Portanto é preciso fazer-se um trabalho com um jornalista que recebe uma arma da presidência da República, para quê? Não vale a pena citar o nome. São práticas que me deixam duvidoso sobre a independência de muitos jornalistas».

O Presidente da Associação dos Jornalistas de São Tomé e Príncipe, retomou o apelo para que o ministério público esclareça a denúncia feita por Patrice Trovoada contra os jornalistas em Setembro de 2016,  na mesma altura em que o Primeiro Ministro, voltou a chamar os seus jornalistas da Rádio e Televisão do Governo no mês de junho de 2018, para denunciar outra alegada acção armada desta vez contra a Águia.

«Quando se ouve e se vê as declarações oficiais sobre a alegada “tentativa” (?) de assassinato de uma “Águia” com um tiro na cabeça com o objectivo de subverter a ordem constitucional a poucos meses das eleições, convém recordar que em 2016, o senhor primeiro-ministro, Patrice Trovoada, acusou publicamente numa das suas “conversas em família” transmitidas pelos medias estatais que certos jornalistas receberam “arma de guerra” da Presidência da República». referiu o Presidente da AJS.

Para a Associação dos Jornalistas de São Tomé e Príncipe, a mentira tem pernas curtas.

Abel Veiga | Téla Nón
PARTILHAR

Author: verified_user

0 comentários: